Dons ministeriais: Quais são os 5 ministérios de Jesus?

Tempo de leitura: 9 min

Escrito por Tyago Rodrigues
em 28/06/2021

Compartilhe agora mesmo:

Muitos ousam dizer que os 5 dons ministeriais de Efésios 4: 11 cessaram, mas o versículo 13 desse mesmo capítulo é claro em afirmar que os mesmos existem “até que todos cheguemos à unidade da fé e conhecimento do Filho de Deus, a varão perfeito, à medida da estatura completa de Cristo“, e isso ainda não ocorreu!

Dito isto, se faz de suma importancia o conhecimento e alinhamento dos cristãos à esse fato bíblico!

Até porque você somente fluirá naturalmente no sobrenatural do Evangelho após encontrar e agir alicerçado no dom ministerial que Deus preparou para sua vida desde o ventre.

2 princípios bíblicos sobre os 5 Dons Ministeriais

2 princípios bíblicos sobre os 5 Dons Ministeriais:

Sobre este assunto, 2 coisas básicas devem ser ditas de antemão:

A primeira é que é Deus quem concede os dons ministeriais. A segunda é que o dom ministerial ordenado de Deus é que determina o ministério ou o ofício do ministro na igreja local e não ao contrario.

Esses dois pontos básicos acerca do ministério podem ser vistos em Atos 13.1-4. No primeiro versículo, vemos que os candidatos à ordenação já tinham o dom ministerial concedido por Deus:

“Na igreja de Antioquia HAVIA profetas e mestres: Barnabé, Simeão, chamado Níger, Lúcio de Cirene, Manaém, que fora criado com Herodes, o tetrarca, e Saulo.” (Atos 13: 1)

Nos dois versículos seguintes, vemos que posteriormente a igreja, sob a orientação do Espírito Santo, ordenou esses irmãos para exercerem o ministério:

“Enquanto adoravam ao Senhor e jejuavam, disse o Espírito Santo: “Separem-me Barnabé e Saulo para a obra a que os tenho chamado”.
Assim, depois de jejuar e orar, impuseram-lhes as mãos e os enviaram.” (Atos 13: 2,3)

No versículo quatro, fica claro que foi o Espírito Santo foi quem os enviou:

“Enviados pelo Espírito Santo, desceram a Selêucia e dali navegaram para Chipre.” (Atos 13: 4)

Está vendo aí o perigo da igreja sair levantando e enviando pessoas à algum cargo ao ministério a torto e a direita sem ouvir o Espirito Santo?

O cristianismo é uma iniciativa de Deus, note que ninguém consegue surpreender o Senhor, não podemos nos antecipar a ele. Ele sempre faz o primeiro movimento!

O que NÃO são Dons Ministeriais:

Vamos citar aqui quatro pontos bíblicos a respeito do que definitivamente não são dons do ministério de Jesus Cristo, vejamos:

Dom ministerial não é profissão.

Os médicos, advogados, engenheiros e outros profissionais exercem suas atividades mesmo sem ser vocacionados a tal. Mas, no autêntico ministério evangélico é desastroso tentar aparentar algum ministério sem antes ser vocacionado ao mesmo pelo próprio Deus.

Infelizmente existem centenas de pastores que desabafam, dizendo: “Até hoje eu não sei o que Deus quer comigo”.

Isto é preocupante, pois na verdade quando Deus chama, Ele mesmo determina e transparece o trabalho que seu servo irá realizar.

Quer exemplos na bíblia?

– Jonas sendo enviado à Nínive; Jesus enviando seus discípulos; Deus enviando Moisés; e muitos outros. Todos estes foram enviados já sabendo o que fazer!

Dom ministerial não é emprego.

Um dom no ministério é graça de Deus, a palavra ministro significa exatamente “servo” ou “servidor” que Deus deu a Igreja.

Portando o ato de servir em algum ministério é algo que o obreiro exerce de livre e espontânea vontade, impulsionado pela virtude do Espírito Santo nele existente, sem interesse financeiro algum.

Dom ministerial não é hereditário, nem transferível.

Este erro esta acontecendo de forma comum nas igrejas hoje.

Em breve farei um artigo a respeito de impartição ou transferência de dons onde este fato ficará claro… Se você topa este estudo fique ligado as novidades que trazemos semanalmente ao nosso blog!

O certo a se fazer é: se um pai nota que seu filho tem vocação para o ministério, deve ter a necessária prudência de esperar até que outros obreiros notem a mesma coisa para após isso ungir o filho.

Dom ministerial não é um passa tempo para distração de desocupados.

Deus sempre chama para o ministério, gente que trabalha duro. Ociosos e acomodados só fazem atrapalhar a obra!

Dom ministerial não é Cargo Eclesiástico na Igreja.

Na igreja de hoje, “inventaram” um monte de cargos eclesiásticos e deram a eles o título de “ministérios”, entretanto, à luz das Escrituras, os únicos dons ministeriais são os 5 que listarei neste artigo.

Vejamos então cada um deles, seguindo a sequência bíblica que NÃO quer dizer que um é superior ao outro, mas sim uma sequência conforme a estrutura sagrada:

Jesus e o Dom ministerial de Apostolo

“Por isso, irmãos santos, participantes da vocação celestial, considerai a Jesus Cristo, apóstolo e sumo sacerdote da nossa confissão” (Hebreus 3: 1)

A palavra ‘apostolo’ é encontrada 79 vezes no novo testamento, e literalmente significa: enviado, mensageiro e/ou embaixador.

A princípio era considerado apóstolo somente aquele que pertencia ao grupo dos doze, mais tarde, com o desenvolvimento da igreja vemos Paulo defender, diante dos gálatas, sua autoridade apostólica.

Em suas cartas, ele se identifica como: “Paulo, apóstolo de nosso Senhor Jesus Cristo.”

A Igreja dos nossos dias não pode deixar de lado o ministério do apóstolo, pois isto trará uma grande influência para o crescimento do reino de Deus, implantação de Igrejas, e divulgação do evangelho.

Jesus e o Dom ministerial de Profeta

O verdadeiro Profeta é aquele que fala a Palavra de Deus, portanto nosso mestre Jesus é Profeta por Excelência, pois, Ele é a própria encarnação da Palavra do Senhor (João 1: 14).

A missão do profeta é preservar o conhecimento e a vontade do Único e verdadeiro Deus!

Você pode até profetizar e/ou revelar, mas isso não o torna um profeta. Digo isso porque todo profeta profetiza, mas nem todo que profetiza é profeta.

Um profeta na nova aliança NÃO é aquele que traz diversos sinais e maravilhas (como fez Elias) e sim aquele que traz uma mensagem, uma essência e um direcionamento (como fez João Batista).

Não devemos confundir o ministério do profeta, com a manifestação do dom de profecia.

Já falamos de dons espirituais aqui, caso ainda não tenha lido, recomendo fortemente que veja o seguinte estudo: ‘Quais são os Dons Espirituais e o que a Bíblia nos ensina sobre eles?

Desde o dia de pentecostes o ofício de profeta permanece e precisamos tremendamente do ministério profético atuando na Igreja em nossos dias, mas do modo real (não místico) e tão proveitoso como descreve o novo testamento!

Jesus e o Dom ministerial de Evangelista

Evangelista é aquele que comunica as Boas Novas de modo que as pessoas deixem o pecado e aceitem o perdão de Deus. Jesus foi o primeiro evangelista, Ele pregava sobre arrependimento, perdão e libertação:

“Desde então começou Jesus a pregar, e a dizer: Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus.” (Mateus 4: 17)

Como evangelista, e precursor das Boas Novas, Jesus viajava para anunciar o Reino dos Céus, Ele percorria todas as cidades para levar o Evangelho.

Evangelista é um vocábulo encontrado apenas três vezes no Novo Testamento:

“…Filipe, o evangelista…” (Atos 21: 8); “Ele mesmo concedeu uns para evangelistas…”  (Efésios 4: 11); “… Faze o trabalho de evangelista…” (2 Timóteo 4: 5).

Como vemos, a primeira referência é a um homem como evangelista, a Segunda, ao Dom de evangelista e a terceira, ao trabalho de evangelista – um homem, o dom, o trabalho.

Atos 8 nos mostra um verdadeiro evangelista, Filipe, ele possuía esta graça!

A verdadeira marca de um evangelista são os dons de curar e operações de milagres, se estas marcas não estiverem presentes na vida do evangelista ele será apenas um exortador ou pregador.

De maneira geral todos temos a obrigação de pregar o evangelho. Mas, entre os santos, alguns são chamados para faze-lo de forma mais dinâmica eficiente, ousada, movidos por Deus de uma forma especial. Enfim de forma milagrosa!

Jesus e o Dom ministerial de Pastor

Jesus é o Supremo Pastor, o Bom Pastor que dá a vida pelas suas ovelhas. Pastor é aquele que cuida, apascenta, alimenta, protege, disciplina, consola e restaura suas ovelhas.

É dever também do pastor de ovelhas proteger do mau tempo e dos animais ferozes. Além disto, o ofício pastoral incluí a obrigação de buscar e recuperar a ovelha fraca e a doente ou desviada.

De todos os ofícios do ministério cristão, o pastorado é o mais conhecido em nossos dias.

O pastorado eficiente é um Dom de Jesus Cristo e isso não depende de curso especial, nem é um produto de treinamento.

Porém a instrução, a preparação através de uma escola teológica é importante para o exercício do ministério pastoral, para aqueles quem receberam o chamado de Deus.

Jesus e o Dom ministerial de Mestre

O mestre é aquele que tem uma capacitação sobrenatural, unção para esclarecer, expor e proclamar a palavra de Deus. A fim de edificar, fortalecer e levar o corpo de Cristo (Igreja) a andar nas verdades reveladas na palavra.

Ainda que claramente ele não tenha recebido nenhuma educação formal de um rabino, como era o costume da época, é provável que Jesus, como todas as crianças judias, tenha frequentado uma escola fundamental na sinagoga dos seis aos doze anos.

Mas é um fato que os métodos de ensino empregados por Jesus diferenciavam-se completamente dos utilizados pelos centros de estudo e rabinos de seu tempo.

Em primeiro lugar entendamos que o verdadeiro mestre não é simplesmente aquele que estudou muito, se não operar na palavra de conhecimento e de sabedoria, ele não é um mestre estabelecido pelo Espírito Santo!

Conclusão sobre os 5 ministérios de Jesus

Conclusão sobre os 5 ministérios de Jesus

Neste estudo apresentamos os 5 ministérios dados pelo Senhor Jesus Cristo, para a edificação dos santos e realização da obra de Deus na terra.

Nós com igreja não podemos misturar aquilo que o Senhor separou em suas Escrituras! Não existe pastor evangelista, ou pastor mestre, ou pastor profeta, ou é um ou é outro.

Entretanto os pastores também evangelizam, pastores ensinam, pastores profetizam – tudo dependerá das circunstâncias, da necessidade e da oportunidade – só que a unção específica que há sobre ele é a pastoral e é nessa que ele fluirá e frutificará com excelência. E isto é válido para todos os demais dons ministeriais aqui definidos.

Por fim, oremos e supliquemos ao Deus eterno que ilumine os seu servos, àqueles que receberam um ministério, um chamado, que os inquiete a ponto de não se acomodarem em possuir meros títulos teológicos ou universitários.

Que todos, com humildade e corações quebrantados, clamem ao céu, intercedam e busquem em Deus os recursos sobrenaturais dos dons, da unção e poder de Deus.

Só assim poderemos cumprir a missão que nos foi confiada por Deus, pregar e ensinar o evangelho de Cristo, fazer discípulos.

Compartilhe agora mesmo:

Você vai gostar também:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta


*


*


Seja o primeiro a comentar!