Você deseja saber por que Jesus é chamado de Filho do homem? – Deixe-me dar um entendimento comum e depois um entendimento histórico mais sofisticado.

O entendimento comum é que “Filho de Deus” implica sua divindade – o que é verdade – e que “Filho do Homem” implica sua humanidade, o que também é.

Ele era um filho de um homem, isto é, um ser humano. E ele é o Filho de Deus, na medida em que sempre existiu como o Eternamente gerado, que sai do Pai para sempre. 

Jesus é a Segunda Pessoa da Trindade, com toda a natureza divina totalmente nele.

Ele nasceu de uma virgem. Jesus teve um pai humano, mas que não fez sexo com essa virgem até que Jesus fosse concebido. Ele foi concebido do Espírito Santo na Virgem Maria. 

Assim, ele é humano – totalmente humano. Com este termo, a Bíblia quer enfatizar que ele é totalmente humano.

Portanto, esse é o entendimento comum: ele é divino e humano – duas naturezas, uma pessoa.

Filho do Homem e a Visão em Daniel 7

O insight histórico mais sofisticado e importante é que o termo “Filho do Homem” não o alinha apenas à humanidade. 

Se estudarmos o termo nos Evangelhos Sinóticos, verá que ele não se referia a si mesmo com mais frequência como Filho de Deus, mas sim como Filho do Homem. 

Ele disse coisas como, em Marcos 10:45 , “O Filho do Homem veio não para ser servido, mas para servir e dar sua vida como resgate para muitos“. Então, ele se chama Filho do Homem com muita frequência.

… e vi o filho de um homem, vindo com as nuvens dos céus. A ele foram dados autoridade, glória e reino; todos os povos, nações e homens de todas as línguas o adoraram… Daniel 7:13,14

Em Daniel 7, vemos que o Filho do Homem é uma figura muito exaltada: não apenas uma figura humana, mas uma figura exaltada. 

Jesus, viveu plenamente nas condições de filho de um home

Esta era a auto-designação favorita de Jesus. A razão pela qual ele fez isso é que, aparentemente, Filho do Homem é uma frase comum para “ser humano”.

Por que Jesus é chamado de Filho do homem?

Ele nasceu de um homem. Mas aqueles com ouvidos para ouvir lembraram da profecia escrita anos atras em Daniel 7, e Cristo estava reivindicando um papel muito elevado na história da redenção.

Jesus era muito sutil, pois estava sempre abrindo sua identidade para aqueles que tinham olhos para ver.

Ele se apresentava com o Messias prometido usando a expressão ‘filho do homem‘, qual Daniel havia registrado nas escrituras sagradas.

Cristo teve que seguir um curso muito estreito na divulgação de sua identidade, não apenas dizendo abertamente: “Eu sou o Messias, sou o rei do mundo. Venha me reconhecer como rei“. Ele não falou assim.

Jesus ficou quieto. Ele era sutil. E ele faria alegações explícitas em certas situações e implícitas em outras. 

E somente quando era o momento certo – principalmente quando ele estava sendo julgado por sua vida, e eles disseram: “Você é o Cristo, o Filho do Deus vivo?

– Ele disse: “Eu sou, e você verá o Filho do homem, vindo com grande poder e glória. ” Então ele confessou sua divindade bem no ponto em que sabia que seria crucificado por isso.

Então, o termo tem o duplo significado de ser humano e, de acordo com Daniel 7 , o exaltado céu. E Jesus significa comunicar os dois.

O que Jesus quis dizer com “o Filho do homem”?

O termo Filho do Homem ocorre em Mateus 32 vezes, em Marcos 15 vezes, em Lucas 26 vezes e em João 12 vezes. 

Nos três primeiros evangelhos, o título é sempre registrado como tendo sido usado por Cristo e nunca por anjo, homem ou demônio. 

Das 12 ocasiões em João, 10 são dos lábios de Cristo; apenas duas vezes foi a expressão usada pelos homens, e depois apenas para críticas e descrença:

“Ouvimos pela lei que o Cristo vive para sempre: e por que você diz: O Filho do Homem deve ser levantado? Quem é esse Filho do homem?” 

Essas são as únicas duas ocasiões em todos os evangelhos em que o termo é encontrado nos lábios de qualquer um, exceto Cristo. 

Filho do homem é a própria descrição de Cristo de Si mesmo, e é o termo que o liga à humanidade e mostra Seu relacionamento íntimo e positivo com a raça humana.

A tentação do Filho do Homem

Para ilustrar em particular, tomo a história da tentação, onde o Senhor é visto permanecendo inteiramente no nível da humanidade. 

Ele estava no deserto, sendo tentado como homem, como representante da raça humana; e esse não é meu ponto de vista meramente, foi sua própria declaração. 

Em resposta à primeira tentação, Ele disse: “Está escrito: O homem não viverá somente de pão”. 

Isto é, com efeito, eu estou neste deserto no nível humano, como o Filho do Homem tomando o lugar que todas as outras pessoas têm que tomar. Eu obedeço à lei de Deus que condiciona a vida da humanidade.

Em resposta à segunda tentação, Ele disse: “Está escrito: Você deve adorar o Senhor, seu Deus, e somente Ele deve servir”. 

Assim, Ele se colocou dentro da limitação divina de qualquer outra vida humana e declarou que estava vivendo de acordo com a lei que todos os outros seres humanos devem obedecer se ele deseja cumprir sua vida. 

Em resposta à terceira dessas tentações, Ele disse: “Esta escrito… Não tentarás o Senhor teu Deus”.

Assim, declarou que a lei que O governava era exatamente a mesma que a que governava outras pessoas.

Os termos que indicam Seu relacionamento com os homens são aqueles que provam Seu parentesco absoluto com a raça humana, Sua completa identificação com a experiência humana.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!