E eis que uma mulher da cidade, uma pecadora, sabendo que ele estava à mesa em casa do fariseu, levou um vaso de alabastro com ungüento; Lucas 7:37

As Mulheres que ungiram os pés de Jesus.

Certamente estamos adiante de um relato bastante conhecido no meio evangélico.

O evangelista Lucas nos dirá a respeito de uma mulher que conseguiu com excelência ungir os pés do Senhor Jesus.

Visto que dentro de um contexto bíblico existem 2 mulheres que conseguiram realizar tal ato de maneira tão marcante, a primeira relatada em Mateus 26.6-13; Marcos 14.3-9 e João 12.1-8:

Maria de Betânia ungiu os pés de Jesus

A Bíblia nos diz enquanto Jesus estava jantando em Betânia na casa de Simão (leproso), com Marta servindo e Lázaro (aquele ao qual ressuscitou) á mesa.

Vai até os pés do Messias uma mulher por nome de Maria ao qual ungiu os pés do Senhor com ungüento puro e enxugou com os cabelos de sua própria cabeça de tal forma que o cheiro do perfume sentia-se por toda a casa

Judas o Iscariotes até chegou a questionar más nada impediu aquela adoradora de sair dos pés do Cristo.

Há quem até chegue a confundir os dois acontecimentos, o de Maria de Betânia com a mulher pecadora, más se porventura fizéssemos um paralelo entre as duas narrativas veríamos a notar que ainda que as diferenças sejam poucas são cruciais para poder discernir e perceber que uma história não pode de forma alguma ser ligada com a outra.

Compare você mesmo: O jantar na casado Fariseu

Casa: de Simão (o Fariseu)
Cidade: Possivelmente Naim
Convidados: Não descritos

Compare você mesmo: O jantar em Betânia

Casa: de Simão (o Leproso)
Cidade: Betânia
Convidados: Lázaro, Marta e os discípulos.

A Mulher Pecadora Que Ungiu os Pés de Jesus

Nesta passagem bíblica encontramos algo que muito me chama atenção, Jesus é convidado para um banquete na casa de um fariseu, chegando a casa do fariseu, tudo está ocorrendo normalmente.

Porém em um determinado momento uma mulher entra na casa, e a bíblia deixa bem claro que era uma mulher pecadora. Ou seja, alguém que não foi convidada para o banquete e nem deveria estar ali, pois não era bem vinda no ambiente.

Mas essa mulher pecadora tinha dentro dela uma necessidade, a necessidade de chegar até Jesus, e é isso que ela faz, vê na casa do fariseu uma oportunidade de se aproximar de Jesus.

Ela chega a casa do fariseu com um Vaso de Alabastro, ou seja ela chega com algo para oferecer a Jesus. A mulher pecadora está disposta a oferecer o seu melhor para Jesus.

O convite com segundas intenções do fariseu Simão

Visto que em Lucas 7:30 os Fariseus haviam rejeitado os ensinamentos de Jesus, começaram a arrazoar entre si mesmo sobre esse suposto “Messias”.

Consigo conjecturar que Simão (fariseu) não chamou Jesus para um jantar porque queria saber o que ele tinha feito ou um jantar quem sabe de gratidão…

Más sim que as intenções dele era literalmente testar se este homem era realmente o Cristo, enviado por Deus ao qual todos anunciavam sua fama pela cidade (Lucas 7.16-17).

Naquele tempo quando se chamava alguém para um jantar em sua casa não era simplesmente uma refeição para “bater um papo” más sim um jantar considerado de “gala”.

Geralmente as mesas eram divãs (Iguais as nossas porem mais baixas) ao qual se assentavam em poltronas onde viriam a se inclinar nelas de forma que ficassem quase deitados.

Esses divãs eram postos em locais de destaques da casa como varandas e pátios aonde ficavam de fácil acesso e visão das pessoas que passavam por perto da casa pois o jantar era aberto ao público.

Jesus não foi bem recepcionado ao chegar no jantar

Também ao convidado chegar se eram realizados atos litúrgicos como sinônimo de uma boa hospitalidade, a primeira coisa que se fazia era mandar o seu servo lavar os pés do convidado.

a região da palestina naquela época era composta por muita areia e terra sendo assim quando um viajante passava por estas regiões seus pés facilmente ficavam sujos.

Em seguida o que convidou (Simão) deveria ir até o convidado (Jesus) e o dava um osculo santo (beijo na testa) simbolizando “Boas-vindas” e para finalizar deveria ungir a cabeça do convidado com azeite simbolizando respeito.

Jesus aceitou o convite más em nenhum momento a Bíblia nos diz que Simão foi hospitaleiro e praticou os atos descritos acima com ele, ou se quer o recepcionou de forma digna.

Isto nos comprova que realmente aquele homem o havia chamado para o testar, Jesus entra e assenta-se a mesa.

Até o presente momento tudo esta ocorrendo de forma esperada se não fosse os acontecimentos que veremos a seguir:

Eis que chega a mulher pecadora

A cidade de Naim e sua circunvizinhança era acostumado chamar de pecadora aquelas que eram prostitutas, o texto em nenhum momento dirá qual é o pecado cometido por aquela mulher más dentro de um contexto histórico o mais possível era que ela fosse uma prostituta.

Dentro desta base era comum as prostitutas daquela época usarem um colar ao qual era perfumado com unguento (que tem o valor de 300 dias de trabalho).

Pois este colar facilitava ao chamar a atenção dos homens que passavam por perto delas despertando assim o desejo de se cometer o pecado.

A Mulher Pecadora Que Ungiu os Pés de Jesus Lucas 7:37
A Mulher Pecadora Que Ungiu os Pés de Jesus Lucas 7:37

Más o que muitos esquecem ao mencionar esta narrativa é que aquela mulher já havia se convertido, “como isto? momento heresia?” de modo algum!

Tanto a narrativa do Senhor Jesus a respeito do credor nos versículos 41-42, como no versículo 48 induzem a crer que aquela mulher de alguma forma já havia antes de chegar naquele jantar aceitado a Jesus.

Tanto que no Versículo 48 quando Jesus diz:” os teus pecados te são perdoados” (Almeida Corrigida) no grego original a melhor tradução seria “os teus pecados já foram perdoados”.

Nos mostrando que não havia ocorrido a remissão naquele momento más sim em outra ocasião, más então o que uma mulher que já havia sido remida e salva ia fazer naquela casa?

Simples ela foi fazer aquilo que Deus procura em seus servos ela foi adorar o Todo Poderoso (João 4.23-24).

O vaso de alabastro

E, estando por detrás, aos seus pés, chorando, começou a regar-lhe os pés com lágrimas, e enxugava-lhos com os cabelos da sua cabeça; e beijava-lhe os pés, e ungia-lhos com o ungüento. Lucas 7:38

Lucas prossegue o seu relato, dizendo que uma mulher pecadora levou uma vaso de alabastro com unguento, para o local do banquete. No original, em Hebraico, o nome desse vaso é צִנְצֶנֶת “tsintsenet”, um jarro de vidro; um material mais transparente do que os vasos tradicionais de cerâmica.

E a vida daquela mulher era sem dúvida muito transparente. Todos sabiam da sua reputação. Ela não estava ali tentando esconder a sua história, ao contrário, ela trouxe tudo para diante do Mestre, em busca de mudança.

A própria palavra usada para descrever que Jesus se assentou à mesa, é o verbo לְהָסֵב “lehasev”, que também significa “mudar algo”. De fato o Mestre se assentou para realizar mudanças naquela noite.

E em Hebraico, o nome do óleo que havia no vaso de alabastro é בֹּשֶׂם “bosem”, um bálsamo perfumado. Era costume do anfitrião (o dono da casa), gotejar uma vez, esse óleo perfumado, na cabeça do convidado principal.

Tudo aquilo ao qual o fariseu tinha esquecido de fazer com Cristo aquela mulher fez aos pés de Jesus!

Interessante é que ela não se importou se viriam a falar mal dela ou se era bem-vinda dentro daquela casa e diante dos que ali estavam.

Ela apenas foi quebrando a barreira do preconceito e foi direto para os pés de Jesus.

Não quis saber de se assentar a mesa ou ficar olhando de longe.

4 atitudes da Pecadora que ungiu os pés de jesus

Consigo dividir estas atitudes por ela tomada como aprendizados, veja bem:

Regava os seus pés com lágrimas

As lágrimas daquela mulher já não era de tristeza, más sim de alegria.

Pois estava aos pés de alguém que por mais que era conhecido e considerado o convidado principal não a rejeitou.

As lágrimas dela naquele presente momento eram de gratidão por achar alguém que á amava.

Enxugava com os cabelos

Soltar o cabelo para uma mulher judia em publico ou até mesmo entre amigos era inaceitável!

Pois soltar o cabelo era considerado um ato obsceno (semelhante a uma mulher mostrar os seios hoje em dia).

Por isto uma mulher só fazia isto junto ao seu esposo, em um momento intimo e dentro de “quatro paredes”.

Más aquela pecadora não teve escolha ela tinha ido até aquele local apenas para ungir os pés de Jesus como vemos no versículo 37.

Só que quando chegou lá deixou a emoção tomar conta e com o derramamento de lágrimas sobre os pés agora tinha que secar de alguma forma e a única que encontrou foi os cabelos.

Beijava os pés

Já vimos que o osculo simbolizava “Boas-vindas” por mais que aquela mulher já tinha aceitado Jesus como o Messias. Ela ainda esta fazendo isto querendo dizer “Mestre tu é e sempre será bem vindo dentro de minha casa (meu coração)”.

Ungia com o unguento

Aquela mulher simplesmente ao ungir os pés de Jesus, estava oferecendo o melhor que tinha.

O que antes era usado por ela como instrumento de sedução para um pecado. Agora era usado como simbolismo da melhor coisa que ela podia oferecer para Jesus.

Resposta de Jesus ao ocorrido

E Jesus conhecendo o fariseu, lhe disse:  Simão entrei em tua casa, e não me deste água para os pés; mas está regou-me os pés com lágrimas e mos enxugou com os seus cabelos.

Não me deste ósculos, mas esta, desde que entrou, não tem cessado de me beijar os pés. Não me ungiste a cabeça com óleo, mas esta ungiu-me os pés com unguento.

Por isso te digo que os seus muitos pecados lhes são perdoados, porque muito amou; mas aquele a quem pouco é perdoado pouco ama. (Lucas 7.44-47)

Jesus deixa bem claro para o fariseu que aquela mulher pecadora, fez o que ele deveria ter feito ao convidar Jesus para sua casa.

Como forma de gratidão, como forma de fé que a partir daquele encontro com Jesus sua história seria  mudada.

O que eu aprendo nesta palavra é que quando estamos disposto a oferecer o nosso melhor para Jesus, Ele vai retribuir o que entregamos a Ele, haverá uma recompensa, aquela mulher pecadora foi justificada por Jesus, seus pecados foram perdoados.

E a mulher conhecida como pecadora, sai daquela casa, com uma vida completamente restaurada por Jesus.

A Mulher Pecadora Que Ungiu os Pés de Jesus, palavras finais

O que mais me chama atenção nesta narrativa são os atos realizados por esta mulher, ao qual foram citados a cima.

O desfecho desta narrativa se dá com uma mulher saindo dali realizada pois conseguiu oferecer para Cristo uma adoração sincera de coração um culto racional experimentando a boa, agradável e perfeita vontade de Deus (Romanos 12.1-2).

Que venhamos ser cada dia mais parecidos com esta mulher, não nos pecados cometidos por ela anteriormente más pelas atitudes realizadas por ela aos pés de Cristo.

Pois foi este ao qual quando estava na cruz do Calvário ofereceu o melhor que tinha para cada um de nós, SEU SANGUE. Amém.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!